A Tribuna/ Sua contribuição ao estado da Bahia é inestimável. Solidariedade a toda família e amigos diante de ao grande perda.

[Bahia perde o doutor Roberto Santos, ex-governador, aos 94 anos]

Sua contribuição ao estado da Bahia é inestimável. Solidariedade a toda família e amigos diante de ao grande perda.

Médico, cientista, professor, secretário de Saúde, reitor da Universidade Federal da Bahia, governador, ministro da Saúde, deputado federal. Estes são alguns dos muitos cargos e postos que Dr. Roberto Santos ocupou ao longo de sua vida.  Ele faleceu nesta terça, (9), aos 94 anos. Ele deixa seis filhos e um legado interminável na história.

Roberto Figueira Santos nasceu em 15 de setembro de 1926, filho de Carmem Figueira Santos e Edgard Santos. Seu pai, médico, fundador e primeiro reitor da Universidade Federal da Bahia em 1946 e ministro da Saúde, foi uma das personalidades mais importantes para a formação da cultura da sociedade baiana no século XX, tendo criado as primeiras escolas de música, teatro e dança do Brasil, além da instalação do Museu de Arte Sacra da Ufba. Seu filho Roberto formou-se médico aos 23 anos na Faculdade de Medicina da Bahia, um dos alicerces da universidade. Ao voltar das temporadas no exterior, Dr. Roberto se dedicou à clínica médica e ao ensino superior, até que, em 1967, foi nomeado secretário de Saúde pelo então governador Luiz Viana Filho.

Sua trajetória partidária iniciou em 1974, quando ingressou na Aliança Renovadora Nacional (Arena). Findo o bipartidarismo, abrigou-se no Partido Popular (PP), fundado pelo senador Tancredo Neves, como uma alternativa capaz de reunir os setores moderados tanto da Arena quanto do Movimento Democrático Brasileiro (MDB). Com a associação do PP ao PMDB, aprovada em convenção nacional, Roberto Santos ingressou no PMDB.

Como governador da Bahia, inseriu os Centros Sociais Urbanos (CSUs), num total de 33 em todo o Estado, com o objetivo de atender às populações de baixa renda. Outro grande marco da sua administração foi a construção, em Salvador, do Centro de Convenções da Bahia, dotando a cidade de um moderno local de eventos. Depois implantou o Projeto Urbis, voltado à construção de casas populares. Na área da educação, a sua administração construiu 3 mil salas de aula no Estado.

É com pesar que nós do Portal A Tribuna Bahia e toda sua equipe, através do seu Editor Chefe Edmilson Ciriacco, lamenta a morte do Dr. Roberto Santos aos mesmo em que relembra  a sua contribuição ao estado da Bahia ao mesmo tempo em que se  Solidariza com toda família e amigos diante de ao grande perda.

”Tive o prazer em conhecer pessoalmente e tomar uma chá na casa do Dr. Roberto Santos em 1994, pessoa fantastica e que deixou o seu legado a Bahia e a todos os brasileiros”-Ciriacco-A Tribuna

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Next Post

A Tribuna/Peste Negra matou 200 milhões de humanos e durou 04 anos. Veja

ter fev 16 , 2021
          A Peste Negra foi a pandemia que mais matou pessoas na história -200 milhões de humanos/1347-1351 Desde que os seres humanos ocuparam o mundo, doenças também passaram a existir e se espalhar entre a sociedade. Apesar de surtos de determinadas doenças ocorrerem com frequência, apenas algumas chegam ao patamar de uma pandemia – como é […]

CBN AO VIVO

RSS
Follow by Email
Facebook
Twitter