A Tribuna/ Desembargadora suspende festas no Sul da Bahia

Queremos trazer o TJ para o século 21', diz desembargadora Cynthia Resende  - Jornal CORREIO | Notícias e opiniões que a Bahia quer saber

Bahia: À pedido da Procuradoria Geral do Estado, a desembargadora do Tribunal de Justiça da Bahia Cinthya Maria Pina Resende suspendeu a eficácia da decisão do juiz plantonista da Comarca de Porto Seguro que autorizou da realização de eventos festivos de fim de ano na referida cidade.

“O perigo da demora de uma decisão judicial é latente, considerando o notório volume de eventos programados e as notícias veiculadas nos meios de comunicação nacional e na rede mundial de computadores, da circulação de pessoas e desembarque de passageiros ao Município de Porto Seguro, bem como, diante da vigência da norma Estadual retro mencionada, o que poderá, a despeito das deliberações pelos entes federativos interessados, ensejar perigosa e catastrófica aceleração do processo contaminação pela COVID-19, impondo reflexos irreparáveis em toda a população regional e local”, pontou a magistrada.

Elba Ramalho
A Polícia Militar encerrou uma festa clandestina que estava acontecendo, na noite de terça-feira (29), na casa de praia da cantora Elba Ramalho, em Trancoso, no sul da Bahia. De acordo com informações preliminares passadas ao site A Tribuna Bahia cerca de 400 pessoas participavam do evento.

Ainda de acordo com a desembargadora, a decisão contestada pela PGE, subjuga a decisão emanada do Tribunal de Justiça da Bahia, detentor da atribuição para conhecer e julgar demandas envolvendo municípios do Estado e o Estado da Bahia, na medida em que determina, por decisão judicial, o suprimento da autorização municipal para realização de eventos, bem como determina a comunicação acerca da necessidade de efetivo Policial Militar, para tornar viável a realização dos eventos pelos quais o Tribunal fundamentadamente deliberou pela proibição, em clara burla a usurpação de competência constitucional do TJBA, a quem compete apreciar tal matéria.Para a Procuradoria Geral do Estado, a liberação de tais eventos pelo juiz plantonista da Comarca de Porto Seguro configura usurpação de competência do TJBA, “considerando que qualquer medida impositiva do cumprimento de um dever ao município de Porto Seguro só pode ser outorgada pelo TJBA, juiz natural nos termos da Constituição do Estado da Bahia para processar demandas entre o Estado da Bahia e seus Municípios”.

ASCOM

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Next Post

Rubens do Hospital e Daniel Nascimento vão comandar a Câmara de Vereadores de Itamaraju

sáb jan 2 , 2021
Vereador Daniel Nascimento uma nova promessa na politica de Itamaraju Daniel compõe agora a nova mesa diretora da Câmara Municipal de Itamaraju como vice-presidente e é uma grande promessa de renovação da nova política do município.  Ao lado do experiente Presidente Rubens do Hospital ele vai comandar a Câmara de Vereadores pelos próximos dois anos. O vereador é bem relacionado, […]
RSS
Follow by Email
Facebook
Twitter